Inflação sobe em maio, mas índice em 12 meses é o menor em uma década

Após três meses consecutivos de queda, a inflação em maio foi pressionada pelo aumento na conta de luz e voltou a subir, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No acumulado de 12 meses, porém, o índice registrado foi o menor dos últimos 10 anos.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) ficou em 0,31% em maio, contra 0,14% no mês anterior, quando as tarifas foram reduzidas para devolução ao consumidor de valores cobrados de forma irregular pela eletricidade da usina de Angra 3, que está com as obras paralisadas.

Com o fim do desconto, as tarifas de energia subiram 8,98%, respondendo por 0,29 ponto percentual no IPCA de maio. Em abril, a conta de luz havia caído 6,39%.

"Foi uma pressão pontual. Isso não significa que a inflação acelerou com relação ao mês anterior", disse a coordenadora do Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes.

Apesar da alta em relação a abril, foi a menor inflação para o mês desde 2007. Em maio de 2016, o IPCA foi de 0,78%.

No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação está em 3,60%, bem abaixo do centro da meta oficial do governo, de 4,50%, e menor taxa desde maio de 2007, quando foi de 3,18%.

"Safra imensa com demanda reduzida vem dando muito pouco espaço para aumento de preços e até contendo pressões por repasses de aumentos de custos", comentou Nunes.

Com o aumento no preço da energia, o grupo Habitação teve alta de 2,14% no mês, também influenciado por aumentos de tarifas de água e esgoto (0,50%) e de condomínio (0,75%).

Vestuário (0,98%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,62%) também puxaram o índice para cima.

Fonte: Folha.com