Atraso em reformas não deve se tornar problema artificial, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, comentou nesta sexta (9), em Paris, a decisão do presidente Michel Temer de adiar as reformas da Previdência e trabalhista. O ministro voltou a enfatizar que, para ele, o que importa é que as reformas passem e se um ajuste no cronograma for necessário, "tudo bem".

"O que não se pode é criar um problema artificial: tem de ser, porque senão é um problema. Não existe isso. Tenho enfatizado de que quanto mais cedo melhor, mas não vamos criar um limite artificial que não pode ser rompido", afirmou, durante encontro com a imprensa brasileira após se reunir com o ministro da Economia da França.

Meirelles lembrou que a reforma trabalhista já foi votada na comissão especial do Senado e disse que o "importante" é que as reformas continuem avançando.

Ele comentou, ainda, a declaração do deputado Beto Mansur (PRB-SP), um dos principais aliados de Temer na Câmara e que ontem afirmou que a reforma da Previdência "subiu no telhado" e que deve ficar "para agosto".

"Evidentemente que parlamentares têm suas opiniões diversas, mas, por exemplo, o presidente da Câmara [Rodrigo Maia - PMDB-RJ] tem dito com toda clareza que pretende colocar as reformas em votação", disse o ministro.

Fonte: Folha.com