Em meio à crise política, ata do Copom confirma corte mais lento nos juros

A ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) traz novamente a indicação de que em sua próxima reunião, em julho, o colegiado tende a reduzir o ritmo de cortes da Selic.

De acordo com o documento, "em função do cenário básico e do atual balanço de riscos, o Copom entende que uma redução moderada do ritmo de flexibilização monetária em relação ao ritmo adotado hoje deve se mostrar adequada em sua próxima reunião". Esta afirmação repete uma ideia já expressa no comunicado divulgado na quarta-feira passada, após o Copom reduzir a Selic em 1 ponto porcentual, de 11,25% para 10,25% ao ano.

Na ata de hoje, o Copom afirma ainda que o ritmo de cortes da Selic "continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação".

Também retomando ideia expressa no comunicado, a ata do Copom ressalta que "a extensão do ciclo de flexibilização monetária dependerá, dentre outros fatores, das estimativas da taxa de juros estrutural da economia brasileira". A taxa de juros estrutural é aquela que permite o crescimento econômico, sem gerar inflação.

Fonte: Estadão.com